terça-feira, 29 de março de 2011

Gabriel....Um aninho....



("O que é um menino?" - Alan Beck)


Entre a inocência da infância e a compostura da maturidade há uma deliciosa criatura chamada menino. Embora se apresentem em tamanhos, pesos e cores sortidos, todos os meninos tem o mesmo credo: aproveitar cada segundo de cada minuto de todas as horas de todos os dias e protestar ruidosamente - o barulho é sua única arma - quando seu último minuto é decretado e os adultos o empacotam e metem na cama.

Meninos são encontrados em todas as partes: em cima de, embaixo de, subindo em, balançando-se no, correndo em volta de, pulando para. As mães os adoram, as meninas os odeiam, irmãos e irmãs mais velhos os suportam, adultos os ignoram, o céu os protege. Um menino é a Verdade com o rosto sujo, a Beleza com um corte no dedo, a Sabedoria com um chiclete no cabelo, a Esperança do futuro com uma rã no bolso.

Quando você está ocupado, um menino é uma conversa fiada, intrometido e amolante. Quando você deseja que ele cause boa impressão, seu cérebro vira geléia, ou ele se transforma em uma criatura sádica e selvagem empenhada em desmontar o mundo ao seu redor.

Um menino é um híbrido: o apetite de um cavalo, a disposição de um engole-espadas, a energia de uma bomba atômica de bolso, a curiosidade de um gato, os pulmões de um ditador, a imaginação de um Júlio Verne, o retraimento de uma violeta, o entusiasmo de um bombeiro e quando se mete a fazer alguma coisa é como se tivesse cinco polegares em cada mão.

Gosta de sorvete, de canivete, serrote, pedaços de pau, água (no seu habitat natural), bichos grandes, Papai, sábados, domingos e feriados, mangueiras de água.

Não é partidário do catecismo, escolas, livros sem figuras, lições de música, colarinhos, barbeiros, meninas, agasalhos, adultos e hora de dormir. Ninguém se levanta tão cedo, nem chega tão tarde para o jantar.

Ninguém se diverte tanto com árvores, cachorros e mosquitos. Ninguém é capaz de meter num único bolso um canivete enferrujado, uma maçã comida pela metade, um metro e meio de barbante, um saco de matéria plástica, duas pastilhas de chiclete, três notas de um Real, um estilingue e um fragmento de "substância ignorada".

Um menino é uma criatura mágica: você pode mantê-lo fora de seu escritório, mas não pode expulsá-lo de seu coração. Pode pô-lo para fora da sala de visitas mas não pode tirá-lo de sua mente.

Queira ou não, ele é o seu captor, seu carcereiro, seu dono, seu patrão, um cara sarapintado, um nanico, um mata-gatos, um pacote de encrenca. Mas quando à noite você chega em casa, com suas esperanças e seus sonhos reduzidos a pedaços, ele possui a magia de soldá-los em um segundo, pronunciando duas palavras somente: "Oi Papai" ".


Dedico esse delicioso texto, tirado do blog "Sim, Mademoiselle" da Yanne, ao meu querido neto Gabriel.

8 comentários:

Bereida disse...

precioso..
buen dia

Beleza Sem Fim disse...

Muito bom esse texto...

Betty Gaeta disse...

Oi Maria Alice,
Amei a caixinha do Gabriel! Vai ser uma lembraça para os convidados não esquecerem mais da festa.
Bjkas e uma terça-feira maravilhosa para vc.

www.gosto-disto.com

Lila Rosana disse...

Olá amiga, quanto tempo. Ando meio atarefada sem tempo de visitar pessoas queridas, mas sempre que posso estou por aqui vendo as coisas lindas que você faz.
Amei o poema e achei a cara do meu pequeno também.
Um enorme abra;co,
Lila

yanne passos disse...

Oi Maria Alice,

Queria te agradecer a visitinha e as palavras ccarinhosas. E desejo toda a felicidade do mundo para o seu anjo e neto, Gabriel.
Beijos.

Regiane disse...

Oie!

Adorei a sua postagem...

Topa fazer uma lista das 10 coisas que mais ama na sua casa?
A postagem está lá no Casa Com Decoração.

Beijos
Regiane

Maria Célia disse...

Oi Maria Alice
Que lembrança linda para o aniversário do seu netinho. Nada como ter uma vovó tão talentosa.
Bjo

Anônimo disse...

De fato, não conseguimos tirar os nossos meninos da mente e coração. Eles são nossos tesouros.

Muito bem escolhido o texto para o seu lindo neto Gabriel. Parabéns! Que as bençãos de Deus sejam chuvas de graças na vidinha do seu menino.

Cibele